OCUPANDO O LATIFÚNDIO ELETROMAGNÉTICO

“Antigamente quilombos, hoje periferia”: sobre o encarceramento em massa…

No dia 2 de outubro de 1992 acontecia na Zona Norte da cidade de São Paulo mais um capitulo da politica genocida e facista do governo do Estado de SP.

Na Penitenciária do Estado, mais conhecida como Carandiru, depois de uma rebelião, foram assassinados 111 detentos oficialmente, todos armados e perigosos para o bem estar da população, ameaçando as vidas das familias de bem que andam no confortavel metro de nossa cidade, ou passam pelas avenidas Cruzeiro do Sul e Zack Narch, com a fuga eminente dos mesmos.

NÃÃÃÃÃÃOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

ISSO É O QUE QUEREM QUE VOCÊS ACREDITEM!

Havia muito mais que 111 detentos mortos naquela cena do crime, sim foi um genocídio, na concepção clássica do termo, ao contrario do que foi dito, os detentos não portavam armas e já haviam negociado a rendição, fora isso, a cena do crime foi totalmente modificada, os corpos remexidos e “evidencias” foram plantadas.

E assim se deu  o “Massacre do Carandiru” que há 20 anos vem sendo jogado no esquecimento e para o debaixo do tapete, ou como o governo e a sociedade burguesa querem, vem sendo escondido atras dos muros, que são altos suficientes para não ver nada que acontece do outro lado, o encarceramento é a politica de esquecer e rejeitar os que cometeram alguma falta de acordo com as leis feitas por “eles”.

Dentro de um presidio ninguém se recupera, é óbvio, cadeia não é feita pra isso, é pra esquecer, esconder, renegar, degenar seres humanos que ali entram para nunca mais saírem, pois uma grande mentira que existe é a que o preso recuperado possui lugar na sociedade, como diriam os Racionais MCs “tiram sua liberdade, familia e moral, mesmo longe do sistema carcerário, te chamarão pra sempre de ex-presidiário“.

E não para por ai, a cada ano se investe mais em repressão, agressão e encarceramento!

Pensando nisso tudo e mais um monte, a Semana de Resistencia Osama Bin Rap “Holocausto Urbano” convida todos os guerreiros e guerreiras que queiram entender e lutar contra um sistema imundo e assassino a trocar uma ideia, numa atividade livre e horizontal.

Nos aprisionavam nos quilombos, mas resistimos, lutamos e vencemos!

Nos aprisionam hoje em muros, ou nas detenções sem muros chamadas de periferia, mas resistimos e venceremos!

Juntamente com a Rede 2 de Outubro, a Rede de Comunidades Extremo Sul e Karina Biondi, no dia 15 de maio, a partir das 18:30.

15/05 — 18:30 – “Antigamente quilombos, hoje periferia” — sobre o encarceramento em massa. Com: Rede 2 de outubro, Rede Extremo Sul, Karina Biondi. 

Também será apresentado o vídeo-manifesto da Rede 2 de Outubro.

A Semana de Resistencia Osama Bin Rap acontecerá do dia 14 ao dia 18 de maio,

Os debates irão acontecer nos dias 14, 15, 16 e 17 de maio. Todos os debates acontecerão no Espaço Aquario, predio da Historia e Geografia, a partir das 18:30hr.

E, no dia 18 de maio, vai rolar uma Festa para celebrar o aprendizado e a convivência.

AVISO IMPORTANTE! — Durante todos os dias da Semana estaremos recolhendo roupas, brinquedos, alimentos e produtos de higiene pessoal destinados à comunidade da Favela do Moinho! Não é ingresso para entrar, mas é importante ajudar 

Saudações!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*